Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Inês Aroso - Escritora

Sempre sonhei ser escritora... Aqui, sou!

Inês Aroso - Escritora

Sempre sonhei ser escritora... Aqui, sou!

A máquina (capítulo I)

17.03.20 | Inês Aroso | comentar
O perigo de parar era maior do que se pensava. Os cálculos da medicina e da matemática não previram tudo. Não consultaram filósofos. E estes, ai estes, teriam alertado para o grande final. Não havia grandes erros nos números de doentes e mortos, nem no cenário de (...)

Este monstro não precisa de amigos

17.03.20 | Inês Aroso | comentar
Sabia que não lhe podia contar o que a preocupava. Ele ia entender, não a ia julgar, mas iria ficar magoado com a soma das palavras dela. Ela antecipava a dor dele e, por isso, por muito que lhe apetecesse ser abraçada por ele e livrar-se do segredo que a sufocava, (...)

O óbvio

16.03.20 | Inês Aroso | comentar
O óbvio obrigou-me a parar. O óbvio obrigou-me a pensar. O óbvio obrigou-me a voltar a mim. E sempre que volto a mim, tenho que escrever. Valha muito ou valha pouco é na escrita que eu sou eu. O início tinha que ser este. Com música. Com beijos. Com amor. Com tempo. (...)

Eras tu?

20.10.19 | Inês Aroso | comentar
Alguém passou na rua com o teu perfume. Lembrei-me de ti. Não é que seja novidade, pois penso muitas vezes em ti. Mas fiquei sobressaltada, parecia que estavas ali, perto de mim. Bastava seguir o rasto daquele aroma e alcançava-te. É avassalador perceber como as (...)

Não sei o que viste nele(a)!

25.08.19 | Inês Aroso | comentar
Quantas vezes já dissemos (ou pelo menos pensamos) nesta frase? Não só em relação aos outros, mas também em relação a nós mesmos, em relação a amores passados (ou presentes). É esse o problema do amor, não se explica em equações, não resulta de nenhuma (...)

Olhar infinito

02.08.19 | Inês Aroso | ver comentários (1)
Os olhos são o espelho da alma, diz a sabedoria popular. Não importa a cor, o formato, as dioptrias (eu, míope, me confesso) ou outros pormenores. Na verdade, o que interessa no olhar é aquilo que ele transmite. Medo, amor, desdém, maldade, inveja, bondade, alegria, (...)

O polvo sonâmbulo

02.08.19 | Inês Aroso | ver comentários (2)
Era uma vez um polvo sonâmbulo. Durante o Verão, todas as noites vagueava pela pequena vila onde morava e estendia os seus tentáculos pelas janelas abertas dos quartos dos habitantes. Garante quem o viu que só escolhia os quartos onde dormiam as mulheres mais bonitas, (...)

O voo dos amantes

29.07.19 | Inês Aroso | comentar
A aspereza dos dias não lhes roubara a doçura das almas. Os seus lábios tocaram. Era um beijo leve, mas sentido. Quente, mas refrescante. Luminoso, mas sem medo das sombras. E o que parecia uma brisa era, afinal, um vendaval de ternura. Sentiam-se num turbilhão de (...)

A última dança

16.06.19 | Inês Aroso | comentar
Naquela tarde, Alice sabia que era a última vez em que festejava algo. No fundo do coração, sentia isso, mas não queria admitir. Juntou as pessoas cujo amor e a amizade a faziam sentir feliz. Sentiu-se grata por amar e ser amada por aquelas pessoas maravilhosas. Mas (...)