Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Inês Aroso - Escritora

Sempre sonhei ser escritora... Aqui, sou!

Inês Aroso - Escritora

Sempre sonhei ser escritora... Aqui, sou!

Alice parte o espelho

23.03.19 | Inês Aroso

mental-health-1420801_960_720.jpg

Todas as manhãs, antes de sair, Alice, de 44 anos, olhava-se ao espelho.

- Que gorda!

- Que despenteada!

- Que velha!

- Que olheiras!

- Que mal-vestida!

- Que pálida!

- Que...

 

Numa dessas manhãs, tudo mudou. Ia sentada no metro para o trabalho, consultava as redes sociais e sonhava com as férias. A conversa de duas senhoras de cerca de 60 anos, bem-vestidas, ao seu lado, chamou-lhe a atenção:

- Sabes, Lídia, deitei fora o espelho lá de casa. Estava farta dos palpites dele: "olha as rugas", "olha os sinais", "já foste mais nova"...

- Mas tu estás bem, Paula? Os espelhos não falam...

- O meu fala (ou falava), que Deus o tenha!

- Tens tomado a medicação?

- Até disso deixei de precisar... Sabes, é uma metáfora...

- Eu sei, mas explica-me lá isso...

- Percebi que eu era a minha maior crítica: não ouvia nada de mal dos meus netos, dos meus filhos, nem do chatinho do meu Zé. Era eu, que me boicotava... Sempre a criticar-me e a desconfiar dos elogios se eu só me encontrava defeitos.

- E vai daí, livras-te do espelho?

- Tal e qual... E digo-te uma coisa, ao fim de três semanas já estou muito mais feliz! 

- Vamos lá tirar uma selfie, então, para comemorar! Se não, qualquer dia, já nem te reconheces...

- Só se tiveres daqueles filtros que parecemos uma divas... ou uns cães...

Riram-se às gargalhadas e Alice (com muita pena) teve que sair, chegara ao seu destino.

 

Durante todo o dia, a conversa das duas mulheres deu-lhe que pensar...

Quando acordou, no dia seguinte, resolveu partir o espelho. O marido acordou sobressaltado com o barulho.

- Alice, que se passa? Magoaste-te?

- Não, Filipe, resolvi partir o espelho... Estava farta de o ouvir...

- Deves ter tido um pesadelo... O espelho não fala. Pior: dizem que dá azar, partir espelhos!

- Não sou supersticiosa. Além disso, em vez de me ver ao espelho, prefiro perguntar a ti o que vês, aos miúdos... Quanto muito, vou-me vendo pelas fotos ou nas vidraças.

 

O marido de Alice achou aquilo muito estranho e que passados 2 ou 3 dias ela iria colocar um espelho novo. Mas não, enganou-se. Passaram-se meses e o espelho continua rachado. A imagem que ele mostra é artística. Perfeito na sua imperfeição. Tal com Alice. Tal como todas as mulheres. Ou quase todas, porque algumas vivem atrás do espelho. E são elas quem mais critica as outras mulheres. Humilham-nas, sempre que podem. Chamam-lhes "magras", "gordas", "baixas", "altas", "descaradas", "velhas", "sem sal", "feias", "claras", "escuras"; desajeitadas", enfim, o rol é extenso.

 

Por isso, temos que partir os espelhos. Não é preciso irmos buscar os martelos. Podemos simplesmente ignorá-los. E isto significa que basta aceitarmos a nossa imperfeição e não ouvirmos as vozes atrás do espelho. 

 

E este, sim, é o verdadeiro conto de fadas. Não aquele em que um espelho diz quem é a mais bonita do reino. É aquele em que a mulher enfrenta o espelho de frente, sem medos: "Eu sou como sou, linda por dentro e por fora, a opinião dos outros não me interessa". 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.